Hospital De Misericórdia de Altinópolis, “Literalmente Surrupiado”!

Autor: Nenhum comentário Compartilhe:

159

A situação de Total Abuso cometida no Hospital de Misericórdia da cidade de Altinópolis merece ser muito bem observada e representada na Justiça para providencias inclusive na esfera criminal.

Não ha como conceber, que uma entidade filantrópica como o “Misericórdia”, que tem repassados anualmente, via aprovação de Câmara Municipal, valores que podem chegar a R$ 6.000.000,00, fechar o ano exercício de 2012 com a enormidade de dividas apresentadas na noite de ontem na casa de Leis.

O prefeito “Nanão” (Bom de saúde e educação) havia solicitado na sessão plenária passada, via projeto de Lei, liberação de R$ 1.099.342,71, para socorrer as dividas do hospital. Rejeitado o projeto por unanimidade dos vereadores, marcou-se reunião para apurar tais dividas e saber o porquê de não terem sido pagas.

Por intermédio do vereador Sebastião Alves Paulino, tivemos acesso à planilha apresentada ontem, 21/10, para esclarecimento dos vereadores que foram à reunião. Presentes também, e para esclarecerem, a secretaria de saúde Luciana Nazar, sua adjunta, Sra. Carmem Ap. Martins e o provedor do hospital, Walter Manço Filho.

São dividas acumuladas durante o ano de 2012, praticamente inteiro, saldadas e pagas apenas no exercício de 2013.

As notas que estavam atrasadas, vão desde medicamentos, passando por alimentos, contas de luz e telefone, até chegarem aos vencimentos dos profissionais médicos, enfermeiros e funcionários no geral.

Praticamente nada foi pago pelo hospital no ano eleitoral de 2012. Coincidência não!

Repasses foram feitos; onde se aplicou os valores então?

Uma serie de parcelamentos de dividas trabalhistas, INSS, DARF, GRF, PIS, IRRF, dentre outros, foram apresentados como sendo do exercício de 2013, mas com competência 2012. Ou seja, atrasados!

São 31 folhas de planilha com pagamentos atrasados, aproximadamente 930 situações diferentes, quitadas apenas em 2013.

Havia dinheiro para serem pagas em 2012, ano em que foram concebidas. Não se pagou nada naquela data, pagou-se agora em 2013 e não estão tendo como justificar tais pagamentos ao Tribunal de Contas, para isso, pedem autorização da Câmara Municipal, para usarem recursos da ordem de R$ 1.099.342,71, já comprometidos com os pagamentos atrasados e assim poderem fechar o exercício de 2013.

O que se faz Urgente e Necessário, e isso não deve ter passado pela cabeça de nenhum vereador, é apresentação das contas do hospital, no ano de 2012, para que saibamos os motivos de tais calotes nas dividas apresentadas.

Houve dividas enormes no ano de 2012 que só foram quitadas em 2013. Bem! foram quitadas. Há que se apresentar as contas de 2012 para justificar tais dividas e não solicitar autorização dos vereadores para subvenção de mais de um milhão de reais, pelo simples fato de esclarecer ao Tribunal de Contas e o calote passado, ficar por isso mesmo.

Temos o direito e vamos saber, mesmo que seja pelas vias da Justiça Pública o que aconteceu no ano de 2012, ano que teve repasse financeiro de R$ 6.000.000,00 e não se pagou nada no Hospital de Misericórdia de Altinópolis.

Isso tudo se deve, a uma administração pública corrompida e mal intencionada, em concomitância de Câmara Municipal incompetente e relapsa.

Os senhores vereadores, todos na gestão passada, 2009/2012 Nanão/Ferreira, aprovavam os repasses para o hospital, mas sequer tiraram suas “bundas sujas” da cadeira para fiscalizar onde estava sendo aplicada a verba.

É triste ver a situação do Hospital. Vejam os senhores que ontem, 21/10, pela madrugada, uma ambulância do “Misericórdia” socorria paciente rumo a Ribeirão Preto quando sofreu acidente de transito. O motorista do carro que colidiu com ambulância, estava errado, mas na hora do B.O Boletim de Ocorrência, a autoridade policial teria detectado “Documento atrasado” do veiculo hospitalar. Resultado: cinco pontos na certeira do condutor da ambulância. Isso é uma vergonha!

Na reunião ocorrida ontem, teria ficado decidido que novo projeto de Lei, será apresentado pelo prefeito, ainda na intenção de ver liberados os R$ 1.099.342,71 anteriormente solicitados.

Não há a menor lógica para aprovação de tal improbidade. Seria um crime cometido contra cada cidadão desta terra que já disponibilizou valores para atendimento do hospital nos anos de 2009/2010/2011/2012/2013.

Quem deixou de pagar e enfiou o dinheiro sabe-se La onde, que seja responsabilizado pelo dano e pague ele, ou eles, ou quem quer que seja. O que não da, é para pagarmos duas vezes por dividas assumidas e não honradas, mesmo com dinheiro em caixa para isso.

Mais uma vez, eu vou representar no Ministério Publico como tenho feito ultimamente, e quero ver o caso esclarecido.

Se algum vereador votar a favor da aprovação deste absurdo, o faça, a final tem prerrogativa para isso, mas eu vou representar também contra este vereador, seja ele quem for.

Não estou com isso, ameaçando ninguém; apenas, estou informando o que vou fazer.

Não da mais para conviver com “bandalha2009/2012, Nanão (Bom de saúde educação) Ferreira (bom de fornecimento de peças e combustíveis para sua própria administração), como se nada houvesse ocorrido.

 

Aqui se faz aqui se ferra!

 

A foto que ilustra a matéria é das planilhas da divida que da a dimensão exata do tamanho do rombo, ou, ROUBO!

 

Ademir Feliciano

 

Artigo Anterior

Singela homenagem deste site ao altinopolense do passado, presente, e futuro.

Próximo Artigo

OSCIP Sabia inicia curso de artes.

Confira também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *