Filho do Provedor do Hospital de Misericórdia de Altinópolis escreve para Ademir Feliciano e recebe Resposta!

Autor: Nenhum comentário Compartilhe:

Recebi agora pela manha, e-mail de Davi Miguel Manço, filho do provedor do hospital de misericórdia de Altinópolis, Walter Manço Filho, com palavras no mínimo paradoxais. Dei a resposta e me senti na obrigação de tornar isso público.

Abaixo, o texto de Davi e mais abaixo a resposta de Ademir Feliciano.

Preservo apenas o endereço de e-mail do pastor Davi.

 

Prezado Sr. Ademir Feliciano

Saudações.
Meu nome é Davi, você não me conhece.
Sou filho de Walter Manço Filho.

Apesar de natural da cidade de Altinópolis, estou fora do município há muito tempo, desde 1995, quando vim estudar Direito na cidade de São Paulo, na Faculdade do Largo São Francisco (USP). Desde então moro e trabalho em São Paulo, com minha esposa e filha. Mantemos ligações afetivas com a cidade e acompanhamos com tristeza o campo de batalha que nossa terra natal se tornou.

Escrevo a você sem grandes expectativas que esta mensagem seja lida, e menos ainda que seja levada a sério. Escrevo com todo o respeito que você, como ser humano merece, premido pelo dever que a fé cristã me impõe de advertir quem está errado; escrevo na qualidade de cidadão altinopolense, uma vez que ainda sou eleitor nesta comarca; e escrevo ainda na qualidade de um filho que nutre grande admiração pelo pai o que, convenhamos, em nossos dias é algo que se tornou raro.

Caro Sr. Ademir, o senhor conhece bem meu pai? Conhece sua história, sua trajetória? Receio que não.
Meu pai nasceu na “roça”, onde meu avô morou e trabalhou grande parte da vida. Ao longo de toda sua vida, como a grande maioria dos brasileiros, meu avô trabalhou muito e não construiu patrimônio nenhum. Deixou ao meu pai, filho único, como única herança, uma casinha na rua Campos Salles e um legado de caráter e exemplo de trabalho duro que meu pai levou a sério e replicou em sua vida.
Com muito suor e muita dedicação, meu pai construiu sua vida sozinho. Fez seu curso técnico de contabilidade em Batatais, no Industrial, e cursou administração de empresas na Unaerp. Trabalhando desde a adolescência, chegou algumas vezes a passar do ponto de ônibus em RP em que devia descer, por dormir profundamente de exaustão. Em 1974, depois de anos trabalhando e estudando ao mesmo tempo, formou-se e abriu o CONTÁBIL MODELO, escritório que foi o “ganha pão” de nossa família ao longo de toda nossa história. Por meio desse escritório, nosso pai nos sustentou: formou os dois filhos em faculdades públicas, ao custo de muito sacrifício; nos ensinou o valor do trabalho; nos mostrou que ter caráter, temer a Deus e viver uma vida limpa é o que realmente torna um homem digno.
Creio que não há testemunho mais impactante sobre o caráter de um homem do que a trajetória de vida trilhada por seus filhos. Meu irmão e eu somos homens de família, casados, com uma trajetória limpa. Vasculhe nossas vidas: não devemos nada a ninguém e não tememos nada! Temos honra, somos corretos. E se nossa vida é assim, é porque tivemos exemplo.

Você não é de Altinópolis e não conhece a história de nossa cidade. Todos conhecem o Waltinho do Escritório e a Estherzinha do Coronel. TODOS em Altinópolis sabem quem somos. Nossa família só serviu a esta cidade, e nunca recebemos, financeiramente, nada de significativo em troca: apenas a satisfação de fazer parte da vida da comunidade, servindo nosso próximo com o desejo de fazer o que Deus espera de nós. Esse é nosso tesouro, a herança que queremos deixar aos nossos descendentes.
Se tem dúvida quanto ao caráter de meu pai, vasculhe seu patrimônio, veja o que ele tem! A casa onde mora e uma chácara de meio alqueire adquirida na década de 80, por meio de uma herança  que recebeu de meu avô materno. Esse é o patrimônio dele!
Sr. Ademir, eu quero crer que o interesse do senhor por meio de todas as acusações que o senhor tem feito contra pessoas boas de Altinópolis – inclusive fez acusações também contra minha sogra, Maria Helena Zamperini – são com boas intenções. Imagino que seu desejo seja buscar o bem da cidade.

Contudo, afirmo categoricamente: o senhor está errado! O senhor está intimidando o altinopolense bom, o altinopolense direito, de trabalhar. Cada vez menos pessoas boas estão se envolvendo nas coisas públicas, pois sua abordagem jornalística está desestabilizando a cidade e tirando a paz dos cidadãos.
Meu pai não queria aceitar a provedoria do Hospital, apesar dos pedidos do prefeito. Minha mãe o desencorajou, pois, como disse, o senhor tornou o clima desfavorável para as pessoas de bem se envolverem com a administração pública. Eu fui a única pessoa que o motivou, pois via na provedoria do hospital uma forma de meu pai servir a cidade e, conseqüentemente, prestar um serviço a Deus ao cuidar do bem comum, ajudando a aliviar o sofrimento do doente, ajudando a recuperar um hospital em decadência. O incentivei consciente da competência e da decência do meu pai. E não me arrependo de tê-lo feito, apesar da campanha difamatória que o senhor lançou contra as pessoas envolvidas na administração do hospital.

Sr. Ademir, minha intenção por meio desta mensagem é dizer ao senhor que a cidade está sofrendo em virtude do modo como o senhor tem feito jornalismo. Não há nada de errado em apurar uso errado de dinheiro público, esquemas de corrupção, denunciar desvios, etc… Mas sua abordagem é intimidadora, leviana e grosseira. Seu jornalismo é rasteiro e em nada tem ajudado a cidade.

Não tenho compromisso e nem procuração para defender a administração do Sr. Marco Hernane, cuja biografia respeito muito. Mas não posso ficar calado quando uma pessoa que não conhece nossa história, nossa trajetória, ataca nossa família com insinuações mentirosas e calúnias descabidas.

Para o bem do senhor, recomendo que pare de atacar meu pai. Pare de atacar pessoas boas de Altinópolis. Sei que o senhor não respeita homem nenhum e nem teme a Deus. Mas quero lhe dizer que o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores, o Juiz de toda Terra, a tudo observa e a ninguém deixará impune. Se meu pai, eu, minha família, devemos alguma coisa a Ele, que Ele pese sua mão sobre nós. Nós somos seus servos, e se o temos desobedecido ou desonrado, estamos a sua mercê para arcar com as consequência. Por outro lado, se estamos inocentes diante dele, sabemos que ele nos  vindicará, ele será nosso Advogado e pleiteará nossa causa. Sabemos que Ele é quem se levantará contra aquele que nos acusa, e Ele levará a cabo a vingança contra todas as pessoas boas de Altinópolis que têm sido alvo de acusações maldosas e calúnias mentirosas.

Como servo de Deus, recomendo ao senhor, Sr. Ademir: arrependa-se enquanto é tempo. Deixe de fazer o mal. Deixe a cidade em paz. Não quero lhe dirigir ameaças de processos legais e criminais, pois sei que você pouco se importa com isso. Sinceramente, preocupa-me seu bem estar no presente e seu destino eterno: ainda é tempo de salvar sua alma! Pare hoje mesmo de trilhar este caminho, pois tenha certeza, tal caminho apenas vai trazer a você destruição, seja nesta vida, seja na próxima.
Ressalto: isso não é uma ameaça, apenas uma advertência que eu, como servo de Deus, me sinto no dever de fazer a você. Quem conhece e teme a Deus sabe que uma conduta como essa não permanece impune diante de Deus. Busque reconciliar-se com Deus e com as pessoas boas que você tem prejudicado enquanto é tempo. Não postergue isso! Converta-se do mal caminho enquanto é tempo, pois Deus não deixará impune aquele que visa a destruição de seus filhos.
Sinceramente, que Deus ilumine sua vida e tenha misericórdia de você.

“Porque o louco fala loucamente, e o seu coração obra o que é iníquo, para usar de impiedade e para proferir mentiras contra o Senhor, para deixar o faminto na ânsia da sua fome e fazer que o sedento venha a ter falta de bebida. Também as armas do fraudulento são más; ele maquina intrigas para arruinar os desvalidos, com palavras falsas, ainda quando a causa do pobre é justa. Mas o nobre projeta coisas nobres e na sua nobreza perseverará.” Livro do Profeta Isaias, cap. 32 versos 6 à 8, Bíblia Sagrada

Respeitosamente

Rev. Davi Miguel Manço
Ministro da Igreja Presbiteriana do Brasil.

 

Resposta de Ademir Feliciano

 

Caro Ministro Presbiteriano Davi,

O senhor me acusa de mentir e caluniar pessoas de bem desta cidade, mas o senhor mesmo, CRISTÃO como se diz, acaba por fim, me acusando de sequer Crer em Deus.

Creio em Deus sim, mas não no Deus profanado por muitos MINISTROS E PASTORES, que claro, não é o seu caso, vivem à custa da fé de um povo sedento de justiça e oportunidades. Justiça e oportunidades que administradores corruptos como os que estão em Altinópolis há séculos, tiram deste povo em troca de suas sandices.

Nunca ataquei seu pai, alias, realmente não o conheço. Apenas fiz referencia ao PROVEDOR de um hospital em cacos, que recebe verbas enormes e não traduz essas verbas em bom atendimento de quem precisa de ajuda. O povo.

O senhor também não me conhece e como disse, não vive aqui. Talvez o senhor por ignorância ou pela distancia, não deve estar sabendo das agruras cometidas com o dinheiro público aqui em Altinópolis.A cidade está vilipendiada e vem sendo ROUBADA por gente inescrupulosa. Gente essa, que quero crer, não seja a gente de bem a que o senhor se refere em seu texto, senão, serei obrigado e desprezar por inteiro seu texto.

Quando o senhor diz que ataquei sua sogra, só pode estar havendo algum engano, e/ou, estou louco ou não tenho sequer idéia de quem seja ela. Se fiz alguma referencia a alguém, que por ventura venha ser sua sogra, se a denunciei ou coisa que o valha, o fiz baseado em documentos probatórios, alias como tudo que faço.Quando o senhor diz que calunio e minto em minhas matéria, lhe respondo que quem está sendo caluniador e mentiroso é o senhor. Tudo que escrevo, escrevo baseado em provas documentais. Haja vista o numero excessivo de processos aos quais fui submetido, sem sequer ter havido uma condenação.

Estou, aos poucos, provando que os administradores públicos desta cidade, são sim, verdadeiros ratos do dinheiro publico e vou colocá-los, a todos na cadeia que é lugar de LADRÕES.

O senhor, enquanto pregador da palavra de Deus, deveria felicitar-se com atitudes de homens como eu. Lutar por justiça deveria ser principio básico de um seguidor de CRISTO. Ele próprio fez isso quando dos vendilhões do templo de seu pai.

Quanto a sua orientação para que eu me arrependa enquanto, segundo o senhor, ainda há tempo… Esqueça! Eu só me arrependo daquilo que não fiz. Arrepender-me de ser honesto, correto, sincero, fazer tudo de graça e não usar de DIZIMO algum para sobreviver, não merece arrependimento.

O senhor fala com a certeza de já estar salvo e já ter conquistado seu lugar ao lado de Deus. Pense bem Pastor, os últimos serão os primeiros.

Não tenho medo de nada e nem de ninguém. Minha consciência é tranqüila. Reforço: Nunca ataquei seu pai e nem ninguém conforme mentirosamente o senhor atesta.Porem, se em sua visão, o fiz, use de suas prerrogativas advocatícias e me processe. Sou HOMEM de 48 anos e sempre respondi sozinho pelos meus atos.

Quem investiga todo o caso do hospital é a Policia Federal após descobertas feitas por mim. Se eu luto para ver a cidade limpa de ladrões do erário, creio eu, estar sendo de muito mais valia que o senhor que nada faz e talvez nada nunca tenha feito neste sentido.

Guarde seus discursos teológicos para seus fieis. Isso pra mim não tem um pingo de valor. O que vale pra mim, são os documentos que descubro a cada dia e que me dão a certeza de estar no caminho correto.

Sem mais delongas, reitero:NUNCA AGREDI SEU PAI- Apenas fiz referencia a malandragem cometida com dinheiro da saúde do povo. Seu pai irá responder como provedor do hospital e não por ser seu pai.

Forte abraço. Obrigado por visitar meu site e lhe desejo o mesmo. Que Deus tenha misericórdia do senhor.

Ademir Feliciano

OBS: Me sinto no dever de publicar seu texto e minha resposta e vou fazê-lo. Devo isso aos meus leitores.

 

Artigo Anterior

Pastor Davi insiste e recebe outra resposta de Ademir Feliciano.

Próximo Artigo

SUS- Prefeitura de Altinópolis- Hospital de Misericórdia. Entenda o caso em detalhes, passo a passo, pessoa por pessoa.

Confira também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *